Bueno, pois apesar de, há cerca de 2 anos e meio, habitar longínquos 860 km de distância por 908 metros acima do nível do mar, cá estou em Curitiba, cidade do último jogo do nosso Imortal. Apesar de momentos de nostalgia que passo distante da querência, este sentimento sempre é quebrado quando vejo o NOSSO Grêmio jogando por estas bandas, apesar da programação do clube na cidade já ter começado torta. Digo-lhes o porquê: costumeiramente, os gremistas da cidade vão ao aeroporto para recepcionar a Delegação até o hotel. Porém, o Consulado daqui fora informado pelo próprio Grêmio que a delegação chegaria na sexta-feira (27/7) e acabou chegando na quinta, dia 26 de julho. Enfim… Coisas que só o atual Grêmio faz por você. Outro “apesar” que devo informar é o preço do ingresso praticado aqui na Terra da Gralha Azul: NOVENTA E CINCO REAIS o ingresso é um absurdo! A MEIA ENTRADA paga a entrada inteira cobrada na maioria das canchas deste país. Enfim… Apesar disso, o gremista é sempre apaixonado e comparece.

Vamos ao jogo de fato: o Grêmio começou dominando os espaços e ditando o ritmo da partida. Contudo, o time foi se tornando previsível e com atuações fracas do nosso setor de criação com Elano (que passou mal no intervalo e foi substituído) e Zé Roberto (descontado pela lesão, igualmente deixou o gramado), somados à costumeira ineficiência dos nossos apoiadores por ambos os lados, foi tornando um jogo que parecia sob controle em uma partida ruim. O Coritiba começou a gostar do jogo e a especular mais próximo da área tricolor com um chato Everton Costa penetrando com bola dominada por algumas vezes pelo nosso miolo defensivo. Já na segunda etapa, com Marquinhos e Vilson na cancha, a torcida presente viu, aos 15 minutos, Ayrton acertar o alto esquerdo de Grohe após cobrança de falta. No lance seguinte, o tricolor empata. Edilson dá um balão pra área e André Lima, que há tempos vem apagado, acertou um testaço no canto do arqueiro do Coxa: 1 a 1. O Grêmio seguiu trocando passes sem objetividade e errando passes bobos, principalmente com Léo Gago. O torcedor gremista presente passou a etapa final inteira impaciente com os sucessivos erros, até que no apagar das luzes veio o banho de água fria: Leonardo acertou o único chute decente do jogo todo com bola em movimento, selando o nosso revés por 2 a 1 em Curtiba.

Mesmo com esse resultado, não houve tempo para lamentações, pois um novo confronto contra o alviverde paranaense, desta vez pela Sul-Americana, aconteceu na noite de ontem. O que podemos perceber foi um jogo de pólo aquático, um revezamento 4×100, qualquer esporte que envolva água, menos futebol. E, aqui, fica uma pegunta: por que somente no futebol o esporte é praticado com campos em péssimas condições?

Criticas a parte, foi um jogo que não pode se avaliar o individual, muito menos o coletivo. André Lima, mais uma vez, fez o gol do Grêmio. O time teve 4 ou 5 chances de gols antes desse lance, mas que o goleiro do Coritiba foi muito feliz em todos eles. Aliás, vale destacar a partida de um jogador em especial: Gilberto Silva. Ao contrário do que vinha apresentando nos últimos jogos, ontem se mostrou seguro, dividindo e, felizmente, controlando as ações ofensivas do Coxa. Um destaque negativo: Fernando. Não sei se o garoto da base sentiu a não convocação aos Jogos Olímpicos, mas não vem realizando boas partidas, pois, além de não contribuir com o apoio ao ataque, tem errado sucessivos passes cruciais no miolo do meio campo, resultando, assim, em perigosos contra ataques para o adversário. Esperamos e torcemos que seja apenas uma fase. Fernando sabe e já jogou muito mais do que isso.

O placar de 1×0 a nosso favor foi excelente no final das contas. Além de não haver condições para criar outras alternativas de buscar o gol que não fosse cruzamentos para área, não tomamos o gol em casa e vamos novamente para Curitiba com o regulamento a nosso favor. Qualquer empate ou derrota por um gol de diferença (desde que façamos um gol) é bom para nós. Por isso, temos que buscar a vitória sempre, mas sem esquecer como se joga um partida mata-mata.

Avante, Grêmio! Temos a obrigação de brigar pelo título. Sempre ao teu lado. Dale Grêmio querido!

Gustavo Goulart
@Gus_Franco

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

2 respostas a “Apesar dos apesares…”

  • Bom texto!

    Sábado foi um dia “não”. E como disse, “apesar dos pesares”, vencemos o jogo de extrema importância e arrancamos bem!

    Essa sulamericana é o título do ano. Mais fácil que a Copa do Brasil

  • Boa análise das 2 partidas, fica o destaque no texto “Coisas que só o atual Grêmio faz por você.” Esse título é uma baba, mas temos q respeitar todos adversários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *