No último 17 de junho completaram-se 50 anos de um jogo inesquecível, pelo menos para mim. Nunca tinha se visto e nunca se repetiu os fatos a seguir: uma seleção nacional, campeão do Mundo, dentro do seu próprio país, ser mal recebida na sua chegada ao estádio e vaiada antes, durante e depois o decorrer do jogo também. A partida em questão foi entre Seleção Gaúcha e a Seleção Brasileira, no Beira Rio em 1972, que reuniu mais de cem mil gaúchos e terminou empatada pelo placar de 3×3. Gols de

O motivo de tudo isto foi a não convocação. pelo treinador Zagallo, do lateral esquerdo gremista Everaldo, titular tri-campeão mundial dois anos antes no México. Pois, este jogador fez o Rio Grande do Sul inteiro esquecer suas diferenças futebolisticas por alguns dias. Tal fato, para ele, não era novidade. Dois anos antes, no seu retorno da Copa, Porto Alegre assistiu a uma das maiores mobilizações populares de todos os tempos até hoje. A cidade literalmente parou para assistir a sua passagem em um carro de bombeiros pelas ruas da capital.

Everaldo Marques da Silva nasceu em Porto Alegre, em 11/09/1944, no Bairro Glória. Sua carreira profissional começou em 1957, no infanto juvenil do Grêmio, seu único clube de atuação. Salvo exceção de uma curta passagem pelo Juventude, emprestado para adquirir experiência.

Pois este jogador, humilde, mas sabendo o que queria, foi crescendo no cenário nacional até alcançar uma convocação à Seleção, sendo o único jogador gaúcho. Começou na reserva, mas, um pouco antes do início da Copa, atingiu a posição de titular. Numa seleção considerada, por muitos, como a melhor de todos os tempos com jogadores como Pelé, Rivelino, Tostão, Gerson e Jairzinho, Everaldo conseguiu se destacar pela sua dedicação, sua raça e seu bom futebol.

Em Junho de 1970, ele é perpetuado na história do Grêmio, por meio da estrela dourada na Bandeira Oficial do clube.

Everaldo, além de vários títulos, conquistou, em 1972, o Troféu Belfort Duarte, concedido, na época, aos jogadores que não sofressem uma unica expulsão de campo por dez anos consecutivos. Contudo, mesmo seu comportamento exemplar não superou o seu Gremismo. Neste mesmo ano, vendo o Grêmio ser extremamente prejudicado em partida contra o Cruzeiro em pleno Estadio Olimpico, desfere um soco no árbitro José Faville Neto, o que lhe rendeu uma ano de suspensão posteriormente reduzido para 6 meses.

Infelizmente, faleceu precocemente no dia 27 de outubro de 1974 em um acidente de trânsito.

Fica este pequeno registro para que não esqueçamos de uma das maiores glórias deste nosso Grêmio, um clube predestinado a vencer!!!

Renato Bender
Integrante do Movimento Grêmio do Prata

 

______________________________________

Seleção Gaúcha: Schneider, Espinosa, Figueroa, Ancheta e Everaldo; Carbone, Tovar e Torino; Valdomiro, Claudiomiro e Oberti (Mazinho). Técnico: Carlos Froner.

Seleção Brasileira: Leão (Palmeiras), Zé Maria (Corinthians), Brito (Botafogo) e Vantuir (Atlético-MG); Marco Antônio (Fluminense), Piazza (Cruzeiro), Clodoaldo (Santos) e Jairzinho (Botafogo); Leivinha (Palmeiras), Rivellino (Corinthians) e Paulo César Caju (Flamengo). Técnico: Zagallo

Gols: Jairzinho, Paulo César Caju e Rivellino para o Brasil, e Tovar, Carbone e Claudiomiro para a Seleção Gaúcha.

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

6 respostas a “A estrela dourada da bandeira”

  • Baita texto Renato. Faço apenas uma ressalva. A seleção Nacional não foi vaiada em casa. E sim a seleção brasileira vaiada no Rio Grande do Sul.
    A nossa Seleção, a Gaúcha, foi sempre bem tratada e aplaudida durante esse jogo épico.
    Abração

  • Como sou novo, apenas ouço histórias sobre esse jogo.

    Mas, uma das mais interessantes é a entrevista concedida pelo Caju ao final do jogo. Perguntado sobre a partida e essas coisas, ele diz:

    “Me devolvam o passaporte, pois quero voltar ao Brasil.”

    Apesar de falar em tom de crítica e sarcasmo, isso resumi bem o clima hostil criado na época.

  • Meu pai foi no jogo e conta as histórias desse jogo.

    Grande Everaldo! Motivo de orgulho para gremistas e gaúchos.

    E o Zagallo, fazendo m… desde aquela época…

  • Pra variar o Zégallo marcando o Grêmio e seus atletas na paleta, aqui ninguém te engole.
    SALVE EVERALDO!!!!!!!!
    GRÊMIO SEMPRE PIONEIRO.

  • Impressiona o quanto nosso Grêmio é diferente. Nossa bandeira, símbolo maior da Instituição Grêmio, reverenciará eternamente o grande Everaldo, ÚNICO gaúcho (porto alegrense) atuando no RS – titularíssimo do Grêmio – CAMPEÃO DO MUNDO!!! Grêmio, apesar dos dias de hoje – tristes – sempre original e pioneiro!!! Dá-lhe, Grêmio, o MAIOR CLUBE DO SUL BRASIL! Com KOFF, voltaremos a VENCER!!!

  • everaldo é sem duvida estrela que temos n a nossa bandeira,não precisa comentar mais nada de tudo que ele representou para o gremio. ultimo jogo dele tive o prazer de assistir foi em cachoeira do sul onde eu morava na epoca incluve peguei um autografo dele na revista do gremio.infelizmente na volta aconteceu o acidente na estrada onde dirigia seu dogedarte amarelo e veio a falecer
    abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *