Pensei em vários títulos para o texto de hoje, mas sempre voltava a minha cabeça o termo anestesia e deve ser porque é justamente isto que está afetando o nosso Grêmio.

Os leitores da área da saúde que me perdoem pela intromissão, mas em linhas gerais e sem rigor científico pode-se dizer que anestesia é a privação da sensibilidade geral, ou da sensibilidade de um órgão, produzida por uma doença ou por um agente anestésico.

No caso do tricolor, temos as duas causas ocorrendo concomitantemente. O agente anestésico aplicado no caso foi o período de férias precoce que o próprio clube se deu ao resolver disputar o campeonato brasileiro sem ambição e sem planejamento.

E como não é segredo para ninguém o Grêmio está doente.

E da cabeça!!!

A direção insiste em converter um dos clubes mais vitoriosos e peleadores que já existiu em uma construtora e um palanque político.

O Grêmio sofreu uma mutação e converteu-se em um clube incolor, insípido e inodoro. Um time sem alma. Um time sem coração. Um clube sem rumo.

Estive no estádio – não consigo deixar de ir ao estádio, por maiores que sejam os motivos para não ir. Fui a campo reforçado pela companhia do meu filho e não posso esconder que, ao final do jogo, fiquei feliz por ter levado um brinquedo para ele se distrair, pois o jogo não atraía a atenção de ninguém.

Fomos a campo ver o Grêmio e o Grêmio não foi jogar.

A derrota foi quase indolor – vejam os anestésicos fazendo efeito. A torcida está se acostumado. Até mesmo as esperadas vaias e reclamações não foram veementes e pude ver que o contexto todo está desgastado e cansado.

A direção segue seus devaneios e desmandos nesta década perdida. Isto atinge os jogadores que não se vinculam a um clube sem projeto e sem objetivos. Alguns saem rindo do campo depois de um vexame como o que ocorreu sábado. Outros reconhecem que o time não estava disposto a competir naquela tarde. Claro, pois se a direção não se importa é o jogador que vai se importar? Ou alguém acredita que se o patrão não cobrar os empregados vão alcançar as metas da empresa por idealismo?

Tudo bem, eu sabia que não valia mais nada e que as últimas rodadas do Brasileiro foram convertidas em jogos-treino e tudo o mais, mas a verdade é que saí do estádio com a nítida impressão que o clube está anestesiado, sem sensibilidade, não ouve, não fala, não vê e o pior, não reage!

Nosso clube está respirando por aparelhos e o velho Grêmio agoniza nas mãos burocráticas, vaidosas e materialistas que o conduzem atualmente.

Abraços e boa semana a todos!

Rinaldo Penteado da Silva


Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

9 respostas a “ANESTESIA”

  • Ótimo texto.

    Parabéns a este grande Movimento. Talvez o único que represente aquele verdadeiro Grêmio que há tempos não vemos.

    O Torcedor do Grêmio precisa acordar para a realidade. Não é Adeus Roth. É renuncia Paulo Odone.

    • Batista,
      Obrigado pelas referências elogiosas.
      Concordo e acrescento que precisamos de mais mobilização da torcida e envolvimento com a rotina do clube para fiscalizar a atuação da direção, não importa de qual gestão.
      O objetivo de todo dirigente deve sempre ser servir ao Grêmio e não se servir do Grêmio.
      Abraço!

  • 1. Boa noite apos tentar inúmeras vezes sem sucesso dormir apos nova derrota dessa vez pro ceara resolvi tentar escrever pra alguém ai desse time que amo tanto…
    Pelo amor de Deus gente vamos montar um time pra ganhar algo ano que vem to cansado de ficar nessa mesmice de só competir, meu Grêmio merece muito mais do que isso, comecei a torcer pro o Grêmio na década de 90 quando nos erramos os melhores,mas agora já faz dez anos que não ganhamos nada…
    2. I presidente serie B não e titulo para um clube do nosso tamanho.
    To esperando pra ver se ano que vem conquistamos algo importante mas para isso tem que fazer uma limpa ai dentro não adianta contratar atacantes i manter o retranqueiro do Celso Roth.
    3. Um jogo como o de hoje jogando contra o Ceara em casa só com um atacante não da né, lembro do Grêmio do Felipão q ia pra cima não importa quem fosse o adversário, lembro desse mesmo Ceara que foi encurralado na final da copa do Brasil que aos 5 minutos já estava 1 a 0 pra nos.
    4. Não adianta contratar i deixar no banco fora Roth, Andre Lima, Diego Clementino, Rafael Marques, Adilson, Marquinhos que foi trocado pelo artilheiro do Brasileirão Borges mais uma burrada feita pela direção.
    Vamos mudar pra quem sabe ano que vem possa dizer para meu sobrinho q ao invés de ser são paulino como seu pai ou colorado como sua mãe seja gremista vencedor como seu tio foi na década de 90, mas pra isso precisamos de títulos i de um novo time e técnico para sair dessa incomoda fila que já vai 10 anos, não aguento mais os colorados zoando quero um time bom pro ano que vem que ataque sem medo que defenda com vontade i que jogue com garra, mas isso não vai acontecer com Roth na beira do campo…
    Espero resposta quem sabe do presidente se e que ele vai ler isso ou vai estar ocupado com a política
    Att de um GRÊMISTA apaixonado mas triste pela longa fila infelizmente.

    • Rogério,
      Obrigado pelo comentário.
      Teu sentimento é o mesmo de todo torcedor gremista.
      Basta de amadorismo, desorganização e inversão de prioridades.
      A atual direção só quer saber de obra e mídia.
      Somos um clube de futebol. Esta é a razão de ser do Grêmio.
      Lembro da frase que costumo dizer: “Não quero ganhar o melhor estádio e ter um time qualquer, quero ter o melhor time pra ganhar em qualquer estádio”!
      Futebol já!
      Abraço!

  • REALMENTE É LAMENTÁVEL ESSA ATUAÇÃO.QUANDO EU JOGAVA BOLA DESSE JEITO ERA PORQUE A GENTE TAVA SEM VONTADE, MAS ESSES JOGADORES SÃO PROFISSIONAIS E NÃO PODEM TER ESSA REAÇÃO,POIS DEVERIAM SÓ RECEBER EM CASO DE JOGOS EM QUE ELES ATUEM COM VONTADE ENTÃO?! NA VERDADE TEMOS QUE IR NO MAL DA RAIZ, EXISTE UM PROBLEMA MUITO GRANDE QUE É O VALOR QUE SE PAGA POR QUALQUER JOGADOR,ESTÃO GANHANDO MUITO E ISSO TA SENDO O SUFICIENTE PARA ELES NÃO PRECISAREM MOSTRAR MUITO TRABALHO EM CAMPO,É SÓ OBSERVAR O CASO DA SELEÇÃO BRASILEIRA, ANTIGAMENTE SE JOGAVA BEM PARA IR, SE SONHAVA COM ISSO, HOJE NÃO PRECISA PORQUE GANHAM MUITO SEM PRECISAR PASSAR POR ELA, EU TAMBÉM NÃO MORRO DE AMOR PELA SELEÇÃO MAS VEJO DESSA FORMA.OUTRA COISA É QUE OS DIRETORES DO GRÊMIO NOS ÚLTIMOS ANOS ESTÃO GOSTANDO DE JOGADORES RUINS FRACOS,SEM EXPRESSÃO DE RAÇA QUE SEMPRE FOI A NOSSA MARCA.ESSE A.LIMA É UM ENGANADOR,R.MARQUES DEVERIA TER OUTRA PROFISSÃO, PORQUE ELE NÃO PENSA COMO ZAGUEIRO,E ESSA DIREÇÃO ENTÃO É LAMENTÁVEL,NA VERDADE É SEM DIREÇÃO,SEM NADA,TEMOS QUE ACORDAR,ALGO NOVO TEM QUE SURGIR,MINHA ESPERANÇA É O GRÊMIO DO PRATA OU O FÁBIO KOFF,UMA IMAGEM DE TÍTULOS E RESPONSABILIDADE.

    • Deivid,
      As contratações equivocadas são frutos da falta de planejamento e amadorismo da atual direção.
      Quanto aos elevados salários dos jogadores, há várias ferramentas de gestão como premiação pelo alcance de metas e avaliação de desempenho que podem resolver o problema atrelando a valorização aos resultados. Clube e profissionais ganham juntos.
      Atualmente, o clube não tem projeto porque não tem gestão.
      Voltarei a escrever sobre isso.
      Abraço

  • Descomprometido.
    Posso estar enganado com o que vou escrever, mas hoje tirando a torcida “ninguém dos profissionais” está comprometido com o GRÊMIO.
    O time entra em campo para irritar os torcedores, felizes são as crianças que vão ao estádio e levam brinquedos para se entreter. Não gosto nem de pensar se pode piorar, pois o ditado aquele diz que sim, se está ruim, pode ficar pior.
    Onde vamos parar? Eu gostaria de ver jogadores com a camiseta do Grêmio como se fossem sua segunda pele, mas isso é passado, vivemos o profissionalismo mais cruel e sangrento de todos os tempos.
    A TORCIDA DO GRÊMIO ESTÁ MACHUCADA E SEM ANESTESIA.
    Queremos alegria, chega de sofrimento e dor, queremos a anestesia de um título GRANDE.

    • Edison,
      Conforme disse na resposta ao post anterior, há várias ferramentas de gestão como premiação pelo alcance de metas e avaliação de desempenho que podem resolver o problema atrelando a valorização aos resultados. Clube e profissionais ganham juntos.
      Hoje em dia para o profissional se envolver deve haver o retorno proporcional. Aquela cultura do amor à camisa não existe mais. A questão passa por atrelar os objetivos do jogador aos objetivos do clube.
      Vou desenvolver o tema em uma futura coluna.
      Abraço

  • Rinaldo, parabéns por mais um texto que mostra a dor e o sofrimento do verdadeiro torcedor Gremista.

    Sábado, após mais um fiasco (Ceará 3 x 1), fiquei arrasado, triste e atorduado, tentei pensar que loucura é essa que se passa no Grêmio.

    Apesar de todas as conjunturas do futebol atual, aonde a violência gananciosa do poder pelo dinheiro e de todos os interesses pessoais, o Grêmio paga caro demais por seus
    incompetentes dirigentes que se acumulam no poder nestes últimos anos. Eles se acham donos de um clube, sua confraria se reúne num conselho podre, se acham os tais em suas
    empresas e empregos, mas ao Grêmio nada, apenas a podridão de seus desmandos e incompetências de gerir um clube de futebol.

    Reparem em algumas questões, a dias se vem divulgando por palavras oficiais de dirigentes que o Grêmio só pensa em 2012, a lista de dispensas e de possiveis negociações foi
    abertamente dita nos meios de comunicação, não há convicção se o treinador fica ou não fica, mas há convicção para a promoção pessoal do presidente, aonde um tal jogador
    apresentado na sua Arena é a solução do futebol para o ano que vem, mas há a certeza dessa gente que tal evento amenizará as mais burras ações de futebol já vistas nestes
    últimos anos.

    Estes simples maus exemplos demonstram mais uma vez a total falta de planejamento de futebol e, como diz nosso presidente Fallavena, o total esquecimento da essência “… a
    essência de uma coisa é constituída pelas propriedades imutáveis da mesma”, ou seja, estes senhores gremistas conseguiram a fórmula mágica de mudar as propriedades imutáveis
    de um time vencedor, lutador, bravo, aguerrido e forte, jogaram-na no lixo.

    Se hoje um jogador e um treinador não estão nem aí para uma partida é porque sua direção não está nem aí, não há chefe para cobrar, não há essência, não há amor a camisa, não
    há Grêmio em seu sangue, por favor como exigir rendimento destes profissionais se eles não conhecem a verdadeira essência Tricolor, se seus mandatários acabaram com ela.

    Pode vir o time do Barcelona, se forem estes dirigentes com suas fórmulas mágicas, não ganha título, um grupo vencedor se torna perdedor.

    Ao Grêmio e a sua sofrida torcida resta lutar, acreditar que este clube de futebol é possuídor de uma das mais belas essências do mundo da bola, as propriedades de vergonha,
    de luta incansável por resultados positivos, de entrega de cabeça erguida e bravura até o apito final, de jogadores e torcidas formando um forte time que se impõe na marcação
    implacável e de posse de bola busque sempre a vitória, com muito ardor e com sangue AZUL.
    Cesar A. Fernandes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *