Vira rotina o tipo de atuação que estamos vendo ser desenvolvida pela equipe tricolor, futebol pobre tecnicamente, muitos erros de passes simples, pouca aproximação dos jogadores. Porém temos um poder bom de marcação e a entrega dos jogadores em campo. Ontem não foi nada diferente disso, pois a equipe já criou um retrato e o que devemos ver também no restante do campeonato será isso.

O jogo de ontem começamos com superioridade ao figueira, pressionando, buscando os três pontos. O nosso problema é que somos um time fraco tecnicamente, então as coisas ou não acontecem, ou acontecem com muito sacrifício. Ainda contamos com a decisão errada de alguns jogadores em lances que podem se converter em rede. Dudu e Luan preferiram cavar pênaltis em vez de dar prosseguimento a jogada ou preferir chutar à meta. Não levaram o apito do árbitro. Aliás, penal é o que nos salvou ontem em um marcado duvidosamente (não digo inexistente como está mencionando a imprensa, porque eles mesmos dizem que quando se dá margem à interpretação do árbitro, logo não se taxa uma decisão do mesmo) em um lance que Zé Roberto criava, pois ao tentar cruzar o marcador adversário deu um carrinho de braços abertos ao chão e, ao ser cruzada a bola ela bate em um dos braços. Barcos, com 28 gols agora de fato, marcou mais um na caderneta.

A partir desse gol, parece que acabou o jogo para o GRÊMIO. O negócio é se defender. Abdicamos de criar jogadas, a distância entre os jogadores para criar triangulações e opções de passes aumenta e armamos um jogo em que se vê um tipo de jogo: ataque do adversário contra a nossa defesa. Ainda contando com a fraca atuação de algumas peças, como Ramiro, Dudu, Luan, Matheus Biteco, Felipão resolve se fechar mais um pouco colocando mais um volante. Tivemos quatro deles em campo, formando uma barreira de contenção a frente da zaga. Dessa forma foi até o final do jogo. No segundo tempo, o Figueirense pressionou, mas não tinha capacidade de penetrar em nossa área e Grohe nem trabalhou muito ontem.

Seguimos com aquele nosso trabalho, jogo a jogo, ponto a ponto, pois sabemos que a nossa briga está um pouco a frente, o G-4 e que a vaga mais uma vez é o “nosso objetivo” para que o ano que vem possamos estar na Libertadores e sonhar de fato com o tri, pois temos um especialista na casamata. Então, com todas essas nossas dificuldades nesse jogo a jogo, o que importa são os três pontos, a vitória.

Esperamos que a próxima diretoria de futebol do GRÊMIO (e já abro aqui esse parêntese para parabenizar o futuro novo presidente, Romildo Bolzan, por se eleger, e ao futuro novo vice-presidente de futebol, Fábio Koff, e desejar um bom trabalho para 2015) possa já avaliar o que acontece no nosso time e faça as devidas correções para que aí, sim, o nosso verdadeiro sonho tenha um sentido de se tornar realidade.

Felipe Moreira
@FMGREMIO

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

3 respostas a “Vitória é o que importa!”

  • Muito bom texto e muito bem escrito.

    Sobre o jogo em si, cada vez mais preocupante as atuações do Grêmio. Vale os três pontos, jogar pelo resultado, tudo isso está certo. Mas, para vislumbrar algo mais, é preciso mostrar mais.

    Não sabemos propor o jogo, e nem quando temos o contra ataque nas mãos, desenvolvemos algo.

    O GREnal está chegando. E queremos a vitória.

  • Eu quero é ganhar o GREnal.

    ACHO que o Grêmio não vai se classificar. Nosso time é fraco demais. Mal formado e lento. Não acredito que há anos não temos um meia articulador. Por isso não ganhamos nem regional.
    Mas vamos seguindo.

    @denisfpalmeida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *