Nos últimos anos temos nos ressentido de um GRÊMIO brigador e com vontade de vencer. Pois bem, este GRÊMIO do Felipão vem nesta crescente no Campeonato Brasileiro, justamente porque o grupo está unido no objetivo de ganhar, jogo a jogo.

Temos problemas técnicos indiscutíveis, que na partida de hoje ficaram muito expostos. Nossa zaga é perdida, sente mesmo a falta de um jogador referencial, que organize e moralize este setor. O meio campo, idem. No início, não temos um volante com presença marcante e que desarme tanto quanto lance bolas ao ataque. No fim, temos uma certa criatividade, mas não temos velocidade – o Dudu é um jogador veloz, mas é tão mau finalizador, que o esforço morre com as tentativas frustradas. O que nos leva ao ataque, precisamos admitir, é desastroso e incompetente; armam, desarmam e não finalizam. O que podemos afirmar categoricamente, temos goleiro! Novamente, hoje, nos livrou da derrota.

Vejam bem, senhoras e senhores… esse GRÊMIO perdido, é o GRÊMIO que vem obtendo vitórias importantíssimas e entusiasmantes. Não tenho dúvidas de que a animosidade passada pelo Felipão, é a maior responsável pelos últimos placares. Enquanto não ouvem o apito final, não desistem do gol; e vêm sendo recompensados, pela insistência.

Mas futebol não se sustenta somente com ânimo e indignação, então, também atribuo aos bons resultados, a tática aplicada pelo técnico. Quando me refiro a tática, não estou falando de um amontoado de números, que correm de um lado para o outro no campo e, sim, para a organização destes números, conforme o material humano disponível. Luiz Felipe está mesmo fazendo uma bela limonada com os limões que ofereceram a ele.

Neste jogo contra o Atlético PR tínhamos a obrigação de fazer os três pontos e fizemos. Nos colocamos entre os primeiros quatro times do Campeonato e deixamos alguns comentaristas “isentos”, com a incumbência de glorificar nossa posição.

Aos poucos vamos impondo nosso futebol e aliviando a tensão do torcedor que já não suportava mais tanto acadelamento e morosidade. Assim estão as coisas dentro de campo, crescendo e subindo… uma pena que, no âmbito da política interna do clube, não esteja sendo aplicado o mesmo empenho. Mas seguimos, porque o GRÊMIO é a nossa paixão, é o nosso amor e por ele temos sempre a esperança das taças no armário.

NÃO ao FUTEBOL MODERNO!

Ana Vilches
@anagremiovedder

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

3 respostas a “A vontade está ganhando o jogo”

  • Dudu (pé direito) vinha jogando fixo na ponta esquerda, ontem foi pra direita no final e já deu um nó no adversário.
    Fernandinho (pé esquerdo) entrou na direita e logo foi para esquerda, também colocou um trevo na cabeça dos adversários. Contra o Flamengo, Fernandinho pegou a bola na direita e levou pro meio.
    Não sou contra o que foi proposto no início, porém as variações durante o jogo servem para confundir o adversário e devem ser realizadas… ponto pra nós.
    Penso que no primeiro tempo o Grêmio poderia ter tirado uns 15 minutos para cruzar ou levantar a bola para o Barcus, quando não está dando certo com infiltrações temos que levantar a bola na área para fazer pressão. Ontem levantamos a bola só no final… deu certo.
    Luan ainda tem que crescer fisicamente, guri novo, vai crescer.
    Giuliano, o cara tem energia só está mal regulado, ansioso, quer acelerar sempre, está previsível, a hora em que variar o jogo vai crescer. Gostei quando disse no final do jogo que não se esconde… é isso aí, não te esconde, mas tem que colocar mais tranquilidade.
    Já estamos montando o time pra 2015, queremos o gauchão.
    Parabéns a quem foi na cancha…

  • Enquanto não se acha o ideal, vamos na vontade e com o facão entre os dentes. Há que se melhorar, mas vai sucedendo aos poucos. O resultado de campo já tem sido um fator positivo e que contribui pra esse patamar ideal de que buscamos.
    Dale GRÊMIO!
    @Gus_Franco

  • Muito difícil, muito sofrido, assistir atualmente a qualquer jogo do Grêmio. Minha indignação aumenta quando imagino as causas para um futebol tão pequeno (eufemismo): má formação do grupo de jogadores, falta de planejamento e filosofia de jogo, direção sem o “perfil” (eufemismo) para as funções do futebol. Que bom que Felipão assumiu “todas” as atribuições do Dep de Futebol: treinador, executivo, diretor abnegado…..
    Não é mais possível tolerar tantos erros, cujo “privilégio” não é tão somente da atual gestão!
    Que, em 2015, “Felipão” consiga planejar o futebol, montar um grupo em atenção à filosofia de jogo pretendida….Que venham DOIS laterais, UM grande zagueiro, UM meia clássico e UM grande atacante!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *