Na antiga Roma, as lutas entre Gladiadores eram o grande entretenimento da civilização Romana. Durante cerca de sete séculos, as lutas dos gladiadores, entre si (ordinarii) ou contra animais ferozes, o que era menos valorizado e prestigioso para os lutadores, foram os espectáculos preferidos dos romanos. O Coliseu, era o principal palco dessas lutas, em Roma, e suas ruínas ainda se constituem numa atração turística da cidade. No ano de 73 a.C., aconteceu a terceira guerra contra escravos, que teve início com um gladiador, de nome Espártaco. Este liderou um grupo rebelde de gladiadores e escravos, que assustou a então República Romana. A revolta terminou dois anos depois graças a Marcus Crassos. Depois disso os lutadores eram vistos com medo nas épocas de crise.

O respeito e medo que a alcunha de Gladiador trazia para o seu possuidor não foi adquirida por mera ocasião. Todos os bravos combatentes, antes de se tornarem Gladiadores, passavam por um treinamento sevéro em escolas especializadas, as quais eram chamadas de Ludus. Somente após essa fase “acadêmica” estavam habilitados para o embate que atrairia milhares de espectadores.
Hoje em uma realidade um tanto quanto distinta, temos uma situação muito similar. A libertadores da América é mais que uma Guerra! É a verdadeira obcessão de todo torcedor Gremista, pois ela retrata o verdadeiro espírito do Gremismo que é: bravura, indignação, luta, credulidade naqueles que se entregam no campo pelo mesmo objetivo, dentre tantos outros significados que poderíamos atribuir ao termo supracitado.

Ontem, dia 03/03/2011, o Imortal Tricolor entrou em campo para o seu terceiro jogo e a segunda vitória pela fase de Grupos de La Copa’11. Foi mais um treinamento na Ludus da Azenha, desta vez contra Leon de Huánaco. Sim, estamos em treinamento ainda! Mais uma vez o Tricolor dos pampas adentrou ao gramado para obter uma vitória. Suada vitória. Porém, nem mesmo o mais fervoroso Gremista classificará este último jogo como épico. As verdadeiras batallhas começarão na próxima fase. Contudo, para chegarmos àos árduos entraves será necessário ser aprovado no nossa Ludus. Não se iludam, amigos! Na Ludus também se joga a vida ou a morte.

Assim como na Roma antiga, o Treinador – ou Lanista termo utlizado à época, que deriva da palavra “CARNICEIRO ” – tem grande importância na formação dos combatentes. Todos os jogadores do Grêmio precisam, ainda, tornarem-se “Gladiadores”. Desta maneira, precisávamos não apenas colocar alguém capacidado para mostrar aos aspirantes ao posto de Gladiador o que é uma BATALHA e como deve ser feito para sair vitorioso diante dos obstáculos que são impostos durante as lutas, precisávamos do melhor Gladiador de todos os tempos para treiná-los! E o temos! Renato Portaluppi é um mito na Azenha. É o mais vitorioso dentre os Gladiadores! O nosso “Carniceiro” já fez estragos em muita gente. E só ele pode preparar bravos guerreiros para conquistarmos mais uma vez a América, derramando o sangue azul que corre em nossas veias se for necessário.

Preparem-se GREMISTAS! Grandes confrontos apontam no horizonte. Fé, raça e armas em punho!

Eduardo Vasconcellos – Núcleo Jurídico
Movimento Grêmio do Prata
Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *