O Primeiro Será Sempre Lembrado

Era uma tarde de sábado, 02 de setembro do longínquo ano de 1989, estava jogando futebol com meu amigo Leandro, me lembro bem do meu saudoso pai me chamando, iria começar a final da primeira Copa do Brasil, ninguém conhecia bem a competição ainda, fui correndo para casa ansioso…. Me recordo bem do irmão do traíra abrindo o placar, me recordo também do grande Mazaropi falhando, e do momento em que Cuca marcou o gol do título e abracei meu pai como se fosse a primeira vez, nos tornávamos os primeiros campeões do que se tornaria para nós, a competição mais importante do Brasil!!!

Voltamos a decidir a Copa em 1991 onde acabamos perdendo para o Criciúma do Mestre FELIPÃO e em 1993 onde nosso goleiro Eduardo Heuser falhou contra o Cruzeiro, nos tirando a possibilidade do Bi, foram três finais em cinco anos, era o Grêmio começando a se transformar no Rei de Copas!!

O efeito Nildo!!

Noite de 10 de agosto de 1994, eu e minha família tinha chegado na Tri- Fronteira não fazia 60 dias, noite fria, neblina na fronteira, noite de final de Copa do Brasil, o Ceará vinha de grande campanha, inclusive eliminando o coirmão vermelho, nosso craque era Nildo, o Grêmio e seus craques alternativos. Conquistamos o bi com uma cabeçada de nosso centroavante logo no início do jogo, a força aérea tricolor funcionava de forma espetacular no meio da década de 90. Eu “cursava a primeira série do segundo grau”, como o jogo era as 18h tenho a grata lembrança de ir ao colégio, chegando na segunda aula e com a bandeira do Grêmio as costas.

Decidimos mais uma vez em 1995, sendo derrotados pelo Corinthians, mas em 1995 o melhor veio depois, como todos sabem….

Miguel, o Doutrinador!!!

O homem que calou o Maracanã!! Parece título de filme né?? Ganhar título no Maracanã, não sendo time do Rio é uma façanha, imaginem vencer o Flamengo, com 95.000 pessoas no estádio, e com Sávio e Edmundo no ataque??? Noite de quinta, maio, como sempre frio em Barracão, Flamengo com vantagem depois do 0 a 0 copeiro no Olímpico Monumental, e para piorar a situação, sem nossos cães de guarda, os inesquecíveis Dinho e Luis Carlos Goiano, mas o destino nos prega peças, quem imaginaria que João Antonio marcaria aquele golaço aos 6 minutos de partida?? O golpe de misericórdia foi dado por Miguel, o Doutrinador, faltando 10 minutos para o término do jogo. Que carreata espetacular na Tri-Fronteira, como eu não tinha habilitação, fui de caroneiro com meu pai, na sua clássica Brasília 1980 Verde Musgo, maravilhoso ver as ruas tomadas pela massa tricolor e o Grêmio se confirmando como o Rei de Copas!!

Parabéns para o Zinho!!

Já tínhamos copado em sábado a tarde, quarta e quinta a noite, faltava aquela copada básica no dia oficial de futebol, o domingo. Morumbi lotado, o mesmo Morumbi em que Baltazar “dimuliu” meia Seleção Brasileira que jogava pelo São Paulo em 1981. Após o craque alternativo Luis Mário(sempre o craque alternativo) empatar um jogo que parecia perdido na partida de ida, nos restava decidir em São Paulo, tendo o adversário a vantagem de poder empatar em 0 a 0 e 1 a 1, complicado, mas não esqueçam, é o Grêmio pessoal!! Tarde gélida de junho, a fronteira e seu clima “europeu”, tarde do Arraial da Fronteira, festa tradicional da Tri-Fronteira, nervos a pele, não nego, com medo das dificuldades que nos seriam impostas, mas vou resumir o jogo com a matéria que saiu na Globo: “É tetra!!! Grêmio domina Corinthians do início ao fim, e é campeão da Copa do Brasil!!Tricolor de Tite tem atuação de gala no Morumbi, supera Luxa e seus grandes nomes e leva o título para Porto Alegre”. Ahhh, com direito a gol do nosso capitão e aniversariante, grande Zinho. Como estava muito frio, comemorei em casa com a família e a dona encrenca hehe, mas a supracitada tradicional Festa do Arraial foi copada, a festa literalmente ficou azul, era o Grêmio e sua gente copando o Brasil e os eventos municipais da Tri-Fronteira!!!

Pedro Rocha, o redentor!!

15 anos sem títulos são uma eternidade no mundo do futebol, para um gigante cósmico como o Grêmio, mais ainda!!
Foram anos difíceis, mas nunca abandonamos, não esqueçam o trecho da música da grande Geral do Grêmio: “ contigo nas boas nas ruins muito mais”, batemos na trave diversas vezes nesses 15 anos, e eis que o grande dia chegou, seria na noite de 30 de novembro, mas o triste ocorrido com a Chapecoense acabou adiando a grande final. Cantina da Mama completamente tomada pela turba tricolor, apreensão e confiança, afinal o redentor Pedro Rocha teve a sua redenção em BH, 3 a 1 pra máquina tricolor com autoridade. Banda Borrachos da Fronteira tocando seus bumbos a toda, cerveja rolando, cânticos de guerra da Geral sendo entoados, mas o gol não vinha, o 0 a 0 era nosso, mas queríamos mais, até que Bolanos selou o que todos sabíamos, o grande dia havia chegado, o Rei de Copas voltava a copar, bem ,só soube do gol do Atlético no outro dia, afinal estava embebido em alegria, embebido em alegria e em amor, amor pelo meu tricolor!!!

Nesse próximo domingo, que Paulo Victor se torne Danrlei, que Vitor Ferraz encarne Arce, que Paulo Miranda se espelhe em Mauro Galvão e Pedro Geromel, que Diogo Barbosa se torne o novo Roger Machado e que Diego Souza se transforme no Super-Nildo!!!

É o Grêmio!!!

Claudinei Chiogna (Betinho da tri fronteira), integrante do Grêmio do Prata.

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *