Classificamos. E no fim, o empate foi melhor do que a vitória. Mas o futebol foi triste, falho e absolutamente preocupante.

Vamos para uma fase, na COPA, que durante muito tempo foi nossa especialidade. E o motivo principal dos nossos sucessos passados no mata-mata, foi que tínhamos, em campo, uma associação de raça, de garra, tática, técnica e sobretudo do entendimento de como se joga LIBERTADORES. Não nos vejo assim, hoje.

Como GREMISTA, pelo sentimento e pela vontade que tenho de ver o GRÊMIO campeão, sempre acredito no título. Mas uma análise simples deste time e deste técnico, conclui claramente que se não mudarmos de atitude, esta taça vai para outro armário.

Ontem, como vem acontecendo, não vimos gol de atacante. E sinceramente, não acredito que sejam maus jogadores; muito pelo contrário, vejo no Barcos e no Vargas uma dupla fantástica e confio plenamente na habilidade e desempenho positivo de cada um deles. Então fiquei mesmo me perguntando o porquê de não estarem convertendo isto em gols. Observando o jogo, vi que estão tendo que voltar e marcar quase que o tempo todo, porque apesar de o Fernando ter jogado muito ontem, ele e o Souza, não vem fazendo justamente o que deveriam – contenção e ligação.  E a falta das jogadas do Elano com o Zé, também dificulta a chegada das bolas finalizáveis, ao ataque. E isto tudo, quem acerta é o técnico. Embora, deva-se observar esta questão, não é o que me preocupa mais, no GRÊMIO.

A zaga e as laterais continuam instáveis. Werley é muito bom zagueiro e ontem se mostrou bravo e aguerrido também. Mas o Cris, que volta para as próximas partidas não encontrou a segurança necessária a esta posição, ainda. Não sei se encontrará. Gosto do Bressan e apesar da sua visível inexperiência, me parece com mais atitude do que ele. O André Santos está sendo reincidente em um pecado mortal para um lateral – erra muitos passes. O Pará, ontem, esteve brigador e bem mais assertivo do que nos últimos jogos, mas ainda se afoba demais, o que prejudica seus lançamentos. O Dida foi muito bem e pra mim, foi sua primeira partida assim, pelo GRÊMIO – agora, ficar olhando a bola entrar, não dá. Neste lance do gol, teve uma peculiaridade: no momento em que o jogador se prepara para chutar, o Zé olha para o Dida e em seguida olha diretamente para o canto onde a bola iria entrar. Ironia; a fase é tão boa que até no gol ele se sairia bem.

Não vai ser fácil levantar este caneco. Teremos que ser infinitamente mais concentrados e muito melhor postados em campo. Teremos que mostrar pro Luxa, que não se foge da peleia e que os faceiros são os primeiros a voltar pra casa. Que esta nova fase te inspire, GRÊMIO! Porque a torcida louca, quer um campeonato para festejar.

Ana Vilches
@anagremiovedder

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

3 respostas a “Não está morto quem peleia”

  • Aliviado e feliz pela classificação. Precisamos melhorar muito.

    Não temos jogadas, é só individualidades. Falta um zagueiro e um volante.

    Agora começa outra competição. Vamos tricolor!

  • Para mim o time do GRÊMIO é dotado de muito pouca marcação, de erros no posicionamento tático e de desgaste nas jogadas de ataque. Insisto: não temos 4° homem de meio… zé é, no máximo, 3° e ainda, mesmo incumbido da 4a função ainda tem que marcar (é o mais marcador do meio). Souza (um novo william magrão) não marca e sai muito, fernando faz boas partidas, mas também sai demais. Não temos 1° volante. Não temos quem bata!!!

    Precisamos da porrada, precisamos impor respeito ao adversário, precisamos, quando bater, bater com inteligência e não uma porra louquice como o doente do Cris fez (que ainda nem machucou o adversário).

    CHEGA DE FUTEBOL BAILARINO!!! CHEGA DE TROCA DE PASSES SEM OBJETIVO!!! PRECISAMOS DE UM FUTEBOL PRAGMÁTICO E CONCLUSIVO. O CHAMADO NA LINGUAGEM BOLEIRA “PÁ E PUM” SE FRESCURAS!!! CHEGADA RÁPIDA AO ATAQUE E ALTO PODER DE DEFINIÇÃO E SEM MUITO ENFEITES NAS JOGADAS, JOGAR FÁCIL SEMPRE, PRINCIPALMENTE AOS MAIS LIMITADOS!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *