Primeira batalha de LA COPA 2013

Confesso que queria e esperava mais do GRÊMIO, ontem. Ou talvez, menos da LDU. Que retranca! E que dificuldade que o GRÊMIO teve para furá-la. Isto é algo que o Luxemburgo deve rever, porque esta COPA é assim, todos jogam a morrer; não tem bobo.

Do meio pra trás, gostei. Estivemos sólidos, sérios e focados. Neste ponto, me obrigo a lembrar do comentário inacreditável, de certo comunicador, rechaçando a atitude do Saimon de dar balão. Ora, meu senhor, ficar de frescura na área do GRÊMIO, quando não podemos pensar em levar gol, certamente não é o que precisamos. Que postura do Bressan, hein! E bom, Marcelo Grohe pegou pênalti (lembrou Galatto?), calou uma boca específica, que vem injustamente e covardemente o criticando.

O ataque, muito marcado – bem marcado – demonstrou que precisamos variar as jogadas. Bola no Marcelo Moreno já tá mais do que manjada; com a entrada do André Lima, a zaga deles não sabia o que faríamos e isso acarretou que agregamos a jogada aérea, que em alguns jogos foi muito efetiva e neste incomodou bastante. Zé Roberto se enfiando pelo meio também já é bem esperado pelos adversários; quando mudamos um pouco o esquema, tivemos mais qualificação para atacar e para invadir a área da LDU e fomos coroados com o gol espetacular do Elano. Arte dele, explosão da torcida, vaga encaminhada. Vargas está me agradando muito; impetuoso, raçudo e tem muita vontade. Não sucumbiu à marcação.

Duas coisas não podem deixar de serem comentadas, sobre o jogo de ontem. Uma é a atuação estapafúrdia do árbitro hermano e outra, a avalanche que terminou no fosso. Bueno, não é comum um juiz tão deficitário na COPA, mas eu disse que deveríamos pisar nas adversidades e esta foi uma delas. Sobre a história da comemoração, que todo e qualquer dirigente conhece muito bem e sabe que deve obviamente ser sustentada por uma construção forte, fica a imagem vergonhosa de grades retorcidas pela pressão. Alguém me perguntou: “mas por que colocaram umas grades tão fracas?”.

E eu me quedei pensando no porquê e em como pode uma obra tão glorificada e defendida, apresentar uma estrutura que não suporta a avalanche. Enfim, a única coisa que não tem cabimento, depois de tanta discussão a este respeito, é o torcedor cair no fosso ao comemorar um gol.

Agora sim, estamos na COPA! Que seja nossa! Que saibamos copá-la como se deve. Que ninguém tenha mais vontade de ganhar do que nós e que sejamos fortes, aguerridos e bravos. Que estes guris nos tragam a taça! E que hoje à noite, nosso “B” dê mais um passo para nos trazer o Ruralito. Por que GRÊMIO é GRÊMIO! Descontrole onde e como estiver!

Ana Vilches
@anagremiovedder