Nada acontece por acaso. Não existe sorte como fator determinante para o sucesso, nem mesmo para que se consigam pequenos trunfos. Tudo necessita de estratégia, trabalho, planejamento. Tudo isso por si só não basta, pois ainda precisa-se, junto à causa por qual se está lutando, uma identificação e o entendimento de uma filosofia a ser seguida, sem mesmo ignorar a história, principalmente os momentos de glória. Assim, se está configurando um “NOVO” GRÊMIO. Se ainda não há planejamento, não há em todo o clube o respeito por sua história e por seu jeito de ser, mas no vestiário creio que essas qualidades estão voltando a circular. O que presenciamos nos últimos jogos do GRÊMIO? Pegada, forte marcação, posicionamento tático, cobrança, dedicação e trabalho.

Após esse rápido panorama, podemos falar sobre o que foi o jogo de ontem contra o Corinthians na Arena. Que jogo! Que GRÊMIO! Fiquei lembrando daquele GRÊMIO da década de 90, o qual eu comecei como torcedor, identificado com a causa e filosofia gremista: O FUTEBOL FORÇA. Vi até o Luan indignado com o adversário, não aceitando apanhar quieto. Um jogador a ser destacado: Felipe Bastos. Encaixou muito bem no esquema de jogo do Gringo. Jogador de elogiável postura dentro de campo, tanto com adversários quanto com seus companheiros. Mesmo diante da forte cobrança em cima do Barcos por enfeitar menos e ser mais objetivo – “faz de cabeça, faz de cabeça”. Ele é a principal peça na mudança do time.

Não posso deixar de mencionar outro jogador que muitas vezes é destaque. Um baita gremista, mesmo sem títulos expressivos já é um ídolo (ao menos para mim) por apenas ser, entre tantos que já passaram pelo clube, um cara que defende nosso símbolo, nossas cores, nossa camisa: Marcelo Grohe. Ontem foi simplesmente um mágico, salvando sua pátria pelo menos em três lances claros de gols do adversário. Em pensar que passou por poucas e boas para estar hoje na titularidade, aguentou firme, no osso, e hoje lá está arqueando sua meta tricolor.

Barcos, precisamos que seja o que foi ontem: JOGADOR DE ÁREA. Fazer o simples, empurrar a bola para as redes. Assim, pode se tornar um grande ícone no clube, desde que faça o que fez. Dudu, alvo de muitas críticas minhas, ontem foi um dos melhores em campo. Foi vertical, objetivo, simplificou, buscou a linha de fundo (no jogo lembrou até Paulo Nunes), fez cruzamentos bons (muito diferentes dos cruzamentos do Pará). Zé Roberto foi uma boa solução para a nossa lateral esquerda. Dá mais segurança ao sistema defensivo e maior consistência ofensiva nos momentos de ataque. Teve participação efetiva ontem.

Ainda sim, alguns pontos a serem vistos: ainda carecemos de um meia, o qual no jogo não tivemos. Achei que poderia ser dada uma chance para o Alan Ruiz, porém o Felipão está preferindo atuar num esquema tático idêntico ao que o Renato utilizou ano passado e que teve relativo sucesso. A nossa bola aérea defensiva quase nos compromete novamente. O Gringo precisa corrigir isso, pois adversários baixos devem ser proibidos de cabecear na nossa área. O nosso lado direito defensivo é muito vulnerável. Creio que se Matias Rodrigues não é um marcador de carteirinha, deve-se ter uma cobertura para que ele possa fazer o que de melhor faz: apoiar. Werley é um perigo para nossa zaga e quando Pará está junto o medo aumenta. O gol adversário foi novamente pelo lado direito.

Enfim, uma vitória consistente, em um jogo difícil, contra um grande adversário que está bem no campeonato. Isso dá moral, inclusive para enfrentarmos o Santos na quinta-feira. A vitória foi muito valorizada por ter sido diante do Corinthians, que é um bom time. Se continuarmos assim, as coisas acontecerão naturalmente, as vitórias aparecerão e tenho certeza que a possibilidade de conquista da Copa é bem real.

QUE SAUDADES QUE EU ESTAVA DE TI, VELHO GRÊMIO!

Felipe Moreira
@FMGREMIO

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

4 respostas a “O Bom e Velho GRÊMIO!”

  • Cada dia fica mais evidente a mão do Felipão no time do Grêmio, aos poucos está dando forma e estrutura no time.
    Tirou o Pará, bom pra nós, porém o Matias ainda não me passa confiança, quem sabe o Saimon na lateral direita se quisermos ficar com cara de time copeiro.
    Werlei sigo pensando que não serve, não gosto do seu estilo… zagueiro assustado.
    Primeiro tempo parecia jogo acertado, tu não vem e não vou. Felipão sempre foi bom em arrumar o time no intervalo, conforme vai conhecendo o grupo os coelhos da cartola sairão.
    Preparo físico do Grêmio não está bom, o final foi um parto, mas confio no preparador físico e com certeza com o aval do Felipão o Fabio Mahseredjian também irá crescer com seu trabalho. Alguma coisa estava errada, temos um dos melhores preparadores físicos do Brasil e o time se arrastava.
    Dois gols do Barcos, dois cruzamentos do Dudu, o Grêmio sempre foi o time dos ponteiros. Deveria estar no estatuto: “é obrigatório jogar pelas pontas”.
    Bueno, aos poucos vamos tomando corpo, ganhamos do segundo melhor time do Brasil na atualidade e assim vamos ganhando força.
    Quinta é outra fumaça.
    Vamos Grêmio!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *