Ouvi a entrevista do Luxemburgo (o que vinha me poupando há muito tempo) após a classificação nos pênaltis contra o São Luiz. Perguntado sobre a escalação do Fabio Aurélio, respondeu: “queria ver como ele estava jogando”.

Pois bem, acompanhem minha volta no tempo e meu sentimento:


GRÊMIO ONTEM

Me criei no futebol, GREMISTINHA desgarrado do meu pai e tios colorados, atravessando a cidade em 2 bondes até o Olímpico ou viajando em excursões para o nosso querido Interior. Naquela época só se ganhava, ou perdia, o Campeonato Gaúcho.

Havia a Taça Brasil, primeira competição nacional entre clubes, reunindo os campeões dos seus respectivos Estados. O Grêmio até chegou perto, mas era muito complicado, até pelas arbitragens.

Depois veio o Roberto Gomes Pedrosa (Robertão) substituto do Torneio Rio-São Paulo, ampliando a participação de clubes brasileiros. E a partir de 1971, o atual Campeonato Brasileiro.

Mas voltando ao Gauchão, foram altos e baixos. Mas mesmo nos piores momentos, como a maldita década de 70, nunca faltou garra e dignidade ao Grêmio. Até com times bastante inferiores ao tradicional adversário, nunca fomos massacrados ou goleados por eles. Ao contrário, além da técnica, tinham que suar sangue para nos derrotar.

A título de lembrança, e sei que vocês vão gostar, tivemos em 1973 e 1974, um volante chamado Orcina, vindo do Grêmio Bagé e natural de Santa Vitória do Palmar. Não deixava gramado inteiro por onde passava, lavrando a grama com seus carrinhos. Era um taura com um baita bigode, com cara de mau e que impunha respeito. O nosso Dinho seria considerado “uma moça” perto do cara. Num jogo no Olímpico pelo Brasileiro, lesionou 5 jogadores do Remo. Entrevistado no final do jogo, disse que foram eles que começaram e que “quem gosta de apanhar em casa é mulher de brigadiano”. Na época, de ditadura militar, teve que ficar alguns dias na concentração para não ser preso. Sofreu um processo, mas depois tudo foi resolvido politicamente.

Saudosismo meu neste relato? Não. Saudades, sim.

GRÊMIO HOJE

De volta aos dias atuais. Não tenho duvidas da importância maior de uma Libertadores, Brasileiro, Copa do Brasil e até Sul-americana Mas pergunto, onde o Gauchão atrapalha? Só para lembrar, em 1995 (Libertadores), 2001 (último título nacional) e 2007 (vice da Libertadores), fomos campeões gaúchos.

Poupar jogadores? Só em casos pontuais. E para não deixar passar em branco, a lesão do Elano foi em treinamento.

E desdenhar de títulos na atual fase, neste jejum inaceitável de 12 anos, sinceramente não tem adjetivos.

“Até um Gauchão”, aumentaria a autoestima, a confiança no grupo, na torcida, etc. Ao mesmo tempo, impediria que isto fosse canalizado pelo rival direto.

E lembrando do gremistinha que fui, criança quer ver título, volta olímpica, taça, festa, tocar flauta no coleguinha da escola.

Agora volto à resposta do Luxemburgo. Quem está decidido mesmo a ganhar uma competição, escala um jogador em partida decisiva “para ver como ele está jogando”? Puro discurso externo de que queremos ser campeões. Somente para acalmar a torcida até o final do campeonato.

Entregar os Gre-nais por covardia, um deles com intervalo de 11 dias do próximo jogo na Libertadores? Isso é o Grêmio? Acovardado, sem comando, sem entender ,ou pior, perdendo a noção da grandeza do nosso Clube.

Se íamos ganhar ou perder, não sei. Mas com dignidade, que é o que se pede. Dignidade e coragem, dois atributos mínimos para dirigir o nosso Clube.

Para encerrar, e vejam que ironia, deixo a frase abaixo:

“O MEDO DE PERDER TIRA A VONTADE DE GANHAR!”
Autor: Vanderlei Luxemburgo

EU QUERO UM CAMPEONATO GAÚCHO!!!

Renato Bender
@renattobe8

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

11 respostas a “Grêmio ONTEM e Grêmio HOJE”

  • Baita texto, Renato!

    Faltam homens nesse time do Grêmio. Vontade, pegada… esse futebol toque toque que marcam de longe não me representa.

    Hora de mandar esse treinador para a rua. Do jeito que ele arma os times, jamais vai vencer uma Libertadores.

    @denisfpalmeida

  • Renato, muito boas as tuas recordações. Tenho um filho de 9 anos e uma menina de 11 anos que são gremistas até debaixo d’água. E me pergunto como consegui que eles sejam gremistas? É pelo amor ao time, à garra, à força que já tivemos e que a muito nos falta. O que precisamos é de um treinador inteligente e não de um inteligente treinador.

  • Caro parceiro de Gremismo
    Muito bom teu texto.
    Entretanto não podemos deixar de contemporizar, até por que, se tu estás mais próximo da Direção deves saber muito melhor que nós mortais torcedores e sócios, que devem estar acontecendo coisas não vistas. Deve haver muitos outros “poréns” nesta estória toda de manter o Luxemburgo.
    Não sejamos humildes e ingênuos em não entender este “grande negócio” que pode estar por trás de todas estas explicações.
    Até quando???!!!!
    SALVE O GRÊMIO ( em todos os sentidos)
    Abs e parabéns!!

  • em um clube como o GRÊMIO, com história, com características bem marcadas, não deveria haver lugar para dirigentes que não respeitam isto e que principalmente, não tem a preocupação de montar times e contratar técnicos com a nossa cara. este GRÊMIO – e nem me apego muito no elenco – me assusta, porque me é irreconhecível e porque sistematicamente, as direções dos últimos anos, vem transformando nosso clube em algo que não nos pertence. Gauchão é obrigação! e a COPA, merecimento – com raras exceções, que bem sabemos. muito bom teu texto, Renato.

  • O Renato tocou em um ponto que me deixou muito contrariado na época que foi jogar o Gre-Nal das quartas de final da taça Piratini com reservas. Na minha opinião o destino estava nos dando a chance de eliminar o Inter na hora em que podíamos jogar com os titulares sem atrapalhar a Libertadores e a decisão foi incompreensível.

    Parabéns pelo texto.

    Portalicio

  • Kaiser Bender, subscrevo contigo essa saudosa lembrança de um GREMIO FORTE AGUERRIDO E BRAVO, identidade essa que nos tiraram já a muito tempo.
    FORZA GREMIO FORZA GREMIO
    SALVE GREMIO SALVE GREMIO

  • Para mim o principal culpado dessa situação é o Sr Vanderlei Luxemburgo,um técnico ultrapassado ,está nos enganando a tempos,covarde não conseguiu até agora fazer esse time milionário jogar,e o pior é que nossos dirigentes estão entrando nesse barco,Cris ,Fábio Aurélio,Marco Antônio,Pará,Weliton,Adriano,e outros ‘bruxos dele luxemburgo” não jogam nadica de nada,mas não saem de jeito nenhum,enquanto Moreno,Julio Cesar,Vilson,Léo Gago e Leandro jogadores mais baratos e mais produtivos,foram descartados por este “prepotente e ultrapassado treinador”,Que Deus nos ajude!

  • Texto que sintetiza qual deveria ser a “filosofia”, a cultura, do Grêmio! Hoje, o atual “TIME” NÃO É O GRÊMIO! A bola jogada atualmente pelo Grêmio é reflexo da “mesmice cultura” que apequena o CLUBE desde 1997! As semelhanças são muitas em torno do regime de gestão “AUTOCRÁTICO”!! Está passando da “hora” de a Instituição ser “chacoalhada”! Chega de derrotas! Basta de apequenamento! Não suporto mais perder e diminuir!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *