Contrariando o que tem sido dito pela comissão técnica e diretoria de futebol do GRÊMIO, não enfrentamos, ontem, um time fraquíssimo, não jogamos em um gramado horrível e principalmente, a integridade física de nossos titulares, não correu qualquer risco diferente do que se corre em toda competição de futebol. O Gauchão não é assim tão medíocre quanto tentam pitar.

Escalar o grupo principal, se mostrou uma atitude muito correta e acertada; se tivesse sido o reserva, não sei se chegaríamos perto do resultado. É fundamental que titulares tenham a oportunidade de jogarem juntos, em jogos além da COPA. Isto influencia no relacionamento deles dentro de campo, na evolução de jogadas e para se ter uma ideia prática do que deve ser corrigido. E o torcedor agradece a alegria obtida e o espetáculo assistido.

Conseguimos ser efetivos no ataque. Barcos é mesmo impressionante, tem um grande aproveitamento e é certeiro contra o gol adversário. E que passe pro Elano! Gostei muito da postura do Bertoglio, quando entrou. Este jogador tem que ser inscrito para a próxima fase da LIBERTADORES; ainda não consegui encontrar um motivo coerente para estar fora. Também gostei da atuação do Wellington, que visivelmente estava concentrado e focado em busca do gol. É isto que atacante faz e é assim que deve ser. O Cléber precisa de mais ritmo e parece estar se esforçando para buscar seu bom futebol. Nosso problema não é o ataque.

O meio campo esteve descaracterizado, sem o Fernando; o Adriano ainda não me mostrou o porquê da aposta tão convicta do Luxemburgo em relação a ele. E o Marco Antônio… ainda bem, entrou o Bertoglio! O Zé é sempre uma presença fundamental. Faz passes maravilhosos, inicia jogadas com uma rapidez dificilmente combatida pelos adversários. Este, quando não faz gols, proporciona o cenário perfeito para que aconteçam. Substituído pelo Elano, que não esteve brilhante, mas deixou o dele, estando no lugar certo, na hora certa.

Mais uma vez, tomamos um gol de bobeada. E mais uma vez vimos uma apresentação nervosa e pífia do Cris. E o Dida ainda não me passa segurança; irritante ver a bola passar pelo meio das pernas dele. Mas pior, é a sensação que tenho, quando se aproxima uma jogada de bola aérea e fico apreensiva, porque meu goleiro, de 2 metros de altura, está sempre adiantado. Werley salva esta zaga. O Biteco é um mistério para mim; rouba bolas magníficas e dali há um segundo entrega uma barbada para o atacante. Mas é inegável que é um jogador promissor, com muita disposição. O Pará esteve bem e em determinado momento atravessou o campo em uma correria instigante, finalizando com o drible de dois jogadores do Pelotas, que gostei de ver.

Vencer, no Gauchão ou na COPA, alimenta o torcedor, dá confiança aos jogadores e demonstra que o grupo do GRÊMIO está interessado em futebol. Partimos para dois confrontos no sábado: superar o Caxias e enfrentar as agruras oferecidas pela Arena Porto-alegrense. Que vençamos nos dois. Da-le GRÊMIO!

Ana Vilches
@anagremiovedder

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

Um comentário sobre “Vitória pra dar confiança”

  • nao sou daqueles que só recalmam, mas o gremio ira ser desclassificado por culpa do Dida podem escrever, de que adianta 2m de altura sem agilidade, ja foi a carreira, esta velho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *