Nunca essa expressão foi tão usada e mencionada como nos últimos tempos, haja visto o livro de Ferran Soriano, no qual descreve a sua passagem pela administração do Barcelona, os nuances que envolvem o mercado da bola, traçando um paralelo com o mundo corporativo, e as ferramentas de Gestão que podem ser úteis na obtenção do sucesso no mundo do futebol. Ele expressa sua opinião naquilo que entende como fórmulas de sucesso para clubes de futebol, baseado em sua experiência no clube catalão. Inclusive, recentemente, aqui cabe mencionar, tudo isso descrito anteriormente serviu como fonte de inspiração para a compilação de um Projeto a ser implementado em nosso Grêmio e foi o mote da campanha do atual Presidente Fábio Koff.

Não é o objetivo deste texto, obviamente, tratar a fundo de tal livro, tampouco realizar uma síntese sobre o mesmo na tentativa de explicar algo que no meio do futebol é um tanto quanto batido, principalmente, ao que diz respeito ao Planejamento, Organização e Capacitação nos dias de hoje. Um tripé elementar em qualquer organização de sucesso, atualmente visto como essencial para a manutenção dos clubes de futebol diante de suas magnitudes. Mas, é objeto sim destas humildes palavras e mal traçadas linhas, atentar para a falta desse tripé em nosso Grêmio neste início de Gestão e que servira outrora como fundo, base, estrutura e promessa do atual Presidente Fábio Koff.

Ora, o que menos se percebe, até este momento, é Planejamento e Organização. Além, de um certo retrocesso naquilo que o Grêmio estava em processo, muito lento, mas estava, de profissionalização de suas áreas, o que diz respeito, portanto, a Capacitação dos departamentos, ou seja, inclusão de profissionais qualificados para executarem as tarefas que são determinadas através das diretrizes do Clube. Cabe salientar que profissionalizar não é transformar o dirigente, um ser político do clube, em remunerado. Nesse sentido, chama muito a  atenção a quantidade excessiva de pessoas sendo congratuladas com cargos e/ou atribuições dentro do Grêmio, parecendo uma tentativa de agraciar a sua base política como forma de prêmio pelo apoio recebido. Sabemos perfeitamente que tal prática não se sustenta por muito tempo e tende a prejudicar as administrações severamente.

Soma-se a isso uma série de tumultos e conflitos que chegam até a imprensa, por vezes de forma até infantil, causando constrangimentos aos torcedores, demonstrando claramente a falta de comando no Grêmio em todos os níveis. Poderes excessivos a um profissional que é subordinado a um Departamento e, por consequência, ao Presidente. Além do mais, a falta de um Dirigente presente junto a Delegação para resolver um problema entre dois profissionais do Clube e que também foi tratado por meio da imprensa. A falta de informação a respeito da situação dos Associados na Arena. Os mais diversos problemas emergidos na questão Arena por conta de uma inauguração forçosamente antecipada apenas por vaidades pessoais e intransigências entre o Presidente que saiu e o que chegou. Aliás, uma transição de gestão extremamente tumultuada e marcada por sorrisos amarelos e declarações infelizes na imprensa, sendo o que menos se pensava era Grêmio. A completa falta de sintonia entre os Gestores do Negócio Arena e o atual Presidente Fábio Koff. Enfim, uma série de infortúnios que, não por acaso, nos levam a duas bolas no travessão e uma derrota, até certo ponto, inesperada, deixando a todos Nós Gremistas apreensivos com o futuro do Grêmio na principal competição da América.

Ontem à noite, todos nós Gremistas (também o Presidente Fábio Koff), podemos provar de tal expressão. Ou melhor, do significado que ela traz e de como não podemos brincar com a sorte. Essa somente acompanha àqueles que fazem por merecê-la e o seu merecimento vem através do trabalho e do respeito. Planejamento, Organização e Capacitação. Sei do conhecimento que o Presidente Fábio Koff tem a respeito desses quesitos tão importantes para o sucesso. E o Presidente sabe também que futebol não se faz sem Convicções e Comando. E não se faz também com perdedores ao lado. Aliás, aprendi essa máxima com aquele que foi Campeão Mundial e, por um breve momento, meu amigo: você, Fábio Koff!

Portanto, Presidente Fábio Koff, tenho a ousadia de lhe pedir: assuma o Grêmio e faça o que deve ser feito. Nós faremos a nossa parte dia 30/01. A Bola não entra por acaso.

Cláudio Medeiros
@ClaudiodoPrata
Presidente do Movimento Grêmio do Prata

Cadastre-se para receber nossas atualizações

Não se preocupe, não enviaremos spam

18 respostas a “A bola não entra por acaso”

  • maravilhoso texto, Claudinho… início muito preocupante, mas não surpreendente, desta administração Koff. tua última frase – o ultimato – define exatamente o que não está acontecendo; Koff assumir! se se vendeu tão barato e tão rápido, que assuma e que bote pra funcionar. porque isso é o que estaríamos fazendo se estivéssemos lá.

  • Alerta que mostra que o Grêmio do Prata segue vigilante e com um compromisso somente com o GRÊMIO. A crítica deve ser feita agora para dar tempo de uma correção de rumo. Abraço a todos.
    Ivo

  • Ao que parece, nada mudou em 2013. Só a contratação de um bom jogador, mas não é o suficiente. O time é a mesma coisa, as politicagens são as mesmas e o profissionalismo continua zero.

    Pobre Grêmio.

  • Congratulações, Cláudio! A impressão que tive, lendo teu texto, é que conversamos isso ontem! Cláudio, o início dessa gestão está bem, mas bem complicado. Como referiste: não vejo planejamento, organização e “capacitação”. Várias, mas várias mesmo, escolhas seguiram o “mesmo” (talvez único) critério de gestões passadas: escolha “pessoal”. ISSO NÃO É PROFISSIONALIZAÇÃO!! E mais: a “confusão” entre amor e remuneração é perigosa ao clube!!! Vejo que “amor” (paixão) é uma característica (virtude) de gremistas que exercerão funções políticas (institucionais). Remunerar um “abnegado”, via de regra, não se coaduna com “profissionalizar”!! CLÁUDIO, mantenham-se FORTES, ORGANIZADOS e UNIDOS, pois nós gremistas (apaixonados pelo clube) necessitaremos de vocês em setembro de 2013!!!!

    • Obrigado, Vitor Ruschel. É só a expressão daquilo que estamos vendo, presenciando e sentindo.

      Estamos muito preocupados com os acontecimentos neste início de gestão. Já estávamos preocupados antes mesmo de começar e sabes bem os motivos.

      Vamos torcer para que as coisas mudem e possamos ver um Grêmio com cara de Grêmio e Campeão ainda neste primeiro semestre, apesar de todas as dificuldades.

      Nós faremos a nossa parte, pode confiar. E da mesma forma contamos contigo para reverter esse quadro de desmandos dentro do Grêmio. A Luciani Valente já está aqui e a mil pelo Movimento.

      Grande abraço.
      Cláudio Medeiros

  • A profissionalização se faz com continuidade dos Gestores a frente de cada Departamento, com Planejamento de longo prazo e com critérios objetivos para aferição dos resultados obtidos ao longo dos anos. Cargos políticos sempre irão existir, cabe a nós cobrar a qualificação dos funcionários de carreira do clube, tendo um responsável a frente de cada departamento e ou logo abaixo do indicado político para dar continuidade ao Planejamento ou as “Políticas de Longo Prazo” em prol do crescimento do Clube em todos os setores. Forte Abraço. Clayton Dworzecki Soares, Advogado, Camaquã, RS.

  • Prezado Cláudio,
    seguramente a afirmação de que a gestão do Presidente Koff não tem apresentado bons exemplos de profissionalização devem fazer sentido para ti que, ao que tudo indica, participa intensamente dos assuntos do clube. Não obstante, um torcedor mais singelo, como eu, não posso encontrar nessas linhas nenhum elemento que permita compreender o fundamento para semelhantes afirmações.
    Explico. Aquelas pessoas que tem um contato superficial (torcedores comuns que não acompanham, nos bastidores, o teor das decisões e a gestão do clube) com a administração do Grêmio não tem condições de concordar ou discordar de uma afirmação como a que fizeste, ao sustentares, por exemplo, o que segue:
    1.”um certo retrocesso naquilo que o Grêmio estava em processo, muito lento, mas estava, de profissionalização de suas áreas, o que diz respeito, portanto, a Capacitação dos departamentos, ou seja, inclusão de profissionais qualificados para executarem as tarefas que são determinadas através das diretrizes do Clube”.
    A percepção que eu detenho, como um torcedor nas condições já mencionadas, comparativamente à administração PAULO ODONE, é que a administração Koff tem demonstrado (com muita ênfase, na minha opinião) uma larga diferença (positiva) em termos de profissionalismo.
    Com isso (“profissionalismo”), quero traduzir uma postura de administração muito mais austera e, na minha opinião, eficiente quanto aos temas ligados ao futebol do clube e, também, com relação a um tema muito relevante: a ARENA e em que termos a parceria GRÊMIO e OAS estão entabulados. Particularmente, no que tange a essa relevantíssima questão, julguei muito salutar todos os esclarecimentos quanto aos termos em que essa negociação foi nivelada. Não consigo, aliás, compreender bem qual poderia ter sido o ponto negativo no que tange a isso, tendo em vista que esse processo é de interesse de todo o associado e torcedor do Grêmio. Quanto maior transparência nesse e em outros temas, com relação à vida econômica de nosso clube, devem sim estar incluídas numa pauta de transparência, facilitando, inclusive, a fiscalização da torcida.
    Quanto aos temas relacionados ao futebol, a forma da condução das negociações, a postura do profissional RUI COSTA – comparativamente à postura pública desempenhada pelo profissional PAULO PELAIPE -, representa, na minha opinião, um ganho em austeridade, seriedade, profissionalismo e efetividade enormes. É com grande satisfação que acompanho a atuação desse novo profissional e saúdo a saída do Sr. Paulo Pelaipe. Hoje, presenciamos mais silêncio e atuação mais efetiva no que tange à gerência dos temas ligados ao grupo de atletas profissionais e comissão técnica que compõem o futebol Grêmio.
    Assim, para que outros indivíduos – que não compõem o ambiente mais introspectivo da Administração do Grêmio – possam compreender com alguma clareza os termos em que estão embasadas as suas críticas à Administração do Presidente KOFF, peço que aponte objetivamente quais são as evidências que permitem semelhantes afirmações, em demérito a atual Administração que não consegui, ainda, completar o primeiro mês de 2013. Talvez esse fato, por si só, já fosse suficiente para colocarmos sob dúvida a oportunidade da abordagem contida nesse post: é possível, com tão pouco tempo, articular semelhante análise?!
    Cordiais saudações,
    Tiago.

  • Caso eu não tenha sido claro, completo.
    Quanto mais transparência, nos temas da vida econômica do clube e que são, por conta disso mesmo, do interesse dos associados e torcedores, melhor.
    Afirmações que demonstram preocupação ou temor, com relação à vida do clube são perfeitamente possíveis, mas quando não apontamos o fundamento sobre o qual repousa a perturbações de nossa confiança ante o trabalho de outrem, podemos acabar criando, unicamente, um clima de medo e insegurança (ainda que de uma forma um tanto irracional, porque carente de dados objetivos que amparem semelhante cenário).
    Apontar em que elementos amparamos nossas preocupações, de maneira bastante clara, é condição sem a qual corremos esse risco de – numa espécie de obscurantismo – apresentarmos um discurso que pode somente prejudicar a confiança coletiva diante de um determinado profissional ou equipe de profissionais.
    Atenciosamente,
    Tiago.

  • Claudio! as tuas reflexões são sérias, mas é preciso que o Presidente Fábio Koff, tome as rédeas da administração que ta um caus. não admito o Grêmio em Quito sem um chefe de delegação para administrar conflitos, tendo o Luxemburgo comandar e mandar embora um atleta, isso não é de sua competência, outra que me desagrada é um Jogador famoso ser contratado e entrar em campo sendo desconhecido de todos, se admite que o cara é bom, mas não deixar mágoas e ranger de dentes? concluindo o Conselho Administrativo e o Conselho Deliberativo tem que, urgente tomar providências, tem muita coisa errada, e aida não falei da Arena.
    Um Grande Abraço.
    João Braga – Consul Adjunto em Triunfo.

  • Parabéns. Foi o texto mais lúcido dos últimos tempos em um Grêmio dividido entre Odonistas e Koffistas. A atual gestão, infelizmente, está perdida entre bravatas, falta de habilidade política, trato com o público, torcida, Arena, etc… A antiga, é passado… Queremos ajudar… Estamos esperando, prontos para entrar em campo, mas até agora é só trapalhadas, brigas e decepções da direção… Qualquer crítica que se faça, o patrulhamento é forte, colocando reduzindo os gremistas como corneteiros, Odonistas, alarmistas ou qualquer outros depreciativo…

  • A esperança de um grupo de gremistas, é a união de vários segmentos, pessando em um só Gremio, uma união forte, pensando no Gremio e não em vaidades. Ao contraio, estamos esperando, um ano melhor, que faz tempo não surge. Vivemos na utpia da imortalidade

  • Economia interna já não existe, desde 2010 não levantamos mais taças, o Grêmio berro de touro anda longe faz horas.
    Muitos falam em Arena e falam da Arena, nossos conselheiros ficaram devendo promessas, os sócios são seiva pura de um Grêmio que não morre, a torcida carente abre o peito e larga um sapucay na esperança de quem não se entrega, somos grandes das majestades dos campos.
    Temos sangue celeste dos charruas, pra os gringos que vem de cima do Mampituba, saibam que de Grêmio criollo entendemos nosotros, a esperança está na semente em forma de gurizada e piazedo, nosso presidente tem 82 anos mas dependente de novas sementes, depende do sangue novo, do sangue imortal e teatino que volta e meia cruza a frontera e segue touro em rodeio alheio.
    Para sair campeão devemos ter cara de Grêmio, cara de gaúcho, comemorar com costela gorda, um mate largo e um trago forte e doce, preservem a identidade daqueles que aguentam o inverno, não matem meus infinitos e não me expulsem dos campos, da torcida nascem os gritos, dos gritos nascem cantos.
    O Grêmio tem berço, tem pátria e tem história, da Baixada, da Azenha e de La Plata, temos sangue na testa, somos Rio Grande berro de touro e timbre de galo, Grêmio volta pra onde o Rio Grande começa.
    Vamos Grêmio!!!!!! Na flor e floreio no truco de galopeio, quem tem raiz não morre e o tombo faz parte da vida, mas não seja omisso com tua história e tua raça, a primeira se faz em casa e as outras não se empresta, somos Grêmio pampeano, com o pala meia espalda, chapéu tapeado na testa, sou do Rio Grande do Sul e o Grêmio é adaga farrapa.
    Levanta Grêmio que a América te respeita!!!!!!!!!!

  • Percebe-se que o companheiro gremista Tiago, embora se apresente como um “singelo torcedor”, tem uma boa noção de “processos” do nosso Grêmio e ou se preocupa com o nosso clube, além do futebol, o que é muito bom! Considerando que este diálogo tem o condão de discutir idéias, métodos, escolhas,….pergunto ao referido parceiro se ele conhecedor dos critérios utilizados para se iniciar a tão necessária e PROMETIDA “profissionalização” do clube (experiência, desempenho, notável conhecimento de mercado, …..). Nesse sentido, estranha-se o fato de, antes de um mês, ter havido DUAS “DEMISSÕES”. Conclui-se pois , pelo menos em relação a essas duas escolhas, ter havido alguma “falha”! O que houve? Pressa nas escolhas? Escolhas por proximidade (cotas pessoais)? Falta de convicção? Falta de PLANEJAMENTO? Houve submissão ou “muito desprendimento”? Por último, pergunto sobre a possibilidade de se “revolucionar” (transformar o clube, como promete o atualizadíssimo e alvissareiro projeto de gestão – uma das razões de EU ter votado em KOFF – a outra foi a “marca” KOFF = sabedoria, credibilidade, comprometimento) o clube com idéias novas, mas “pessoas e ou pensamentos” coadunados a administrações passadas (desde 1997) que vêm gerindo muito mal o clube, as quais não acompanharam a tão necessária modernização institucional.
    “A nossa imagem é o reflexo de um espelho chamado opinião predominante”.
    Encerro dizendo: mudanças começam pela “raiz”! Não existe “meia mudança” ou “meio projeto”!
    O Grêmio necessita de MUDANÇAS!!! Abraço!

    • Olá, Vitor!
      Tchê, realmente gostaria de entender melhor quais são os problemas.
      Por exemplo, referiste que duas pessoas foram demitidas.
      Quais? E por que motivo essas demissões representam prejuízos ao clube?
      Quando eu me referi a “um simples torcedor” quis dizer que eu recebo informações da (grande) imprensa e da internet, por meio deste e de outros blogs relacionados ao Grêmio.

  • Todos sabem venho de uma família de médicos, mas sai advogado. Porém, pelas minha origens as lidas da medicina não me são estranhas. E, é com muito pesar que muitas vezes o médico acerta um diagnóstico.

    Quem é o honesto e se interessa pela verdade na política do Grêmio sabe muito bem porque o Grêmio do Prata abandonou a candidatura Koff e apresentou candidato próprio e tenho convicção que os “médicos”do Prata hoje veem com muito pesar o acerto do diagnóstico.

    Tomará que quarta uma vitória nos coloque na fase de grupos da Libertadores e que teu apelo Cláudio (Koff assuma as rédeas) possa surtir efeito e uma mudança dos rumos nos encha de esperança e que nos dê a graça de ter errado o diagnóstico e o “paciente” não seja terminal.

    Ao menos estou tranquilo, pois lembro o dia no piquete do Prata em que falei para todos ouvir que na primeira oportunidade saberíamos quais cabeças iriam rolar, só imaginava que demoraria um pouco mais.

    Sorte ao nosso Grêmio e que tuas palavras cheguem ao destinatário final e nossa esperança de estarmos errados se concretize.

  • Sou torcedor gremista e sócio, cfe. matrícula 34646. Torcerei sempre fervorosa e apaixonadamente pelo meu Grêmio. Hoje, estarei na Arena com o coração pulsando ao lado do meu Grêmio. Contudo, por ser “impulsivo” e passional, mas verdadeiro e espontâneo, horas antes do jogo contra a LDU registro.
    A atual direção (eleita inclusive por mim) teve TRÊS meses para montar UM TIME (não falo em grupo), mas o cenário atual está assim:
    1) contratamos um goleiro em FINAL de carreira que já está lesionado;
    2) dispensamos vários laterais. Hoje temos um lateral direito RUIM na esquerda, outro na direita sem condições mínimas para vestir a camisa do Grêmio;
    3) o treinador brigou e mandou embora um zagueiro limitado, mas experiente, que poderia suprir com maior segurança a zaga, em substituição a Cris;
    4) para o meio, não há reposição. Temos DOIS meias “cansados” (o Elano especialmente);
    5) para o ataque, não temos um NOVE que saiba fazer gols.
    FALTAM DOIS laterais titulares, mais UM zagueiro (no mínimo), UM volante, UM meia para revezar com ZR e Elano (condição física deplorável) e um NOVE para fazer gols. FALTA TB A PALAVRA INSTITUCIONAL NO VESTIÁRIO: UM “VICE DE FUTEBOL” (e que seja um cara forte, de personalidade, EXPERIENTE, que tenha bons conceitos e conheça FUTEBOL).
    HOJE então estaremos diante do JOGO QUE DITARÁ O RUMO DE 2013. Trata-se portanto do jogo mais importante do ano (envolve dinheiro, torcida, crescimento do clube, marketing, conquistas,….).
    Diante do exposto, consigno:
    Caso o Grêmio não passe pela LDU,DOIS serão os “maiores responsáveis”:
    1) Koff (Presidente em quem votei e AINDA confio), por aceitar a “falta de planejamento, de organização, de execução”; por aceitar o MANDO DE LUXEMBURGO; por algumas escolhas e atos equivocados;
    2) Luxemburgo: por fazer do Grêmio uma espécie de “quintal” de sua casa (diverte-se com o maior clube de futebol do Sul do Brasil).
    REgistro isso pelo seguinte:
    1) nada quero do Grêmio, a não ser manter meu amor pelo clube e assisti-lo VENCER;
    2) sou fiel e leal ao que sinto!
    A vida segue e, um dia, o Grêmio contará com gremistas que tão somente comprometer-se-ão COM O CLUBE!
    QUE O MEU GRÊMIO VENÇA HOJE! PELO CLUBE E PELOS OITO MILHÕES DE GREMISTAS!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *